Talline Sapatilhas
Saúde

Tudo (que eu sei e penso) sobre complemento vitamínico.

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 0 Flares ×
Vitaminas são fundamentais para a saúde ficar bem e em dia. Todas as vitaminas são encontradas em uma alimentação balanceada!
Os pais a cada dia que passa tentam se informar mais sobre a saúde dos filhos, porém, esse é um assunto que sempre entra em debate. Uns defendem o uso dos suplementos vitamínicos e outros são contra por acharem desnecessário.
 
A questão é que muitos pais acham que suplementos são mágicos e vão evitar resfriados, aumentar apetite e etc. Não são! Mas vamos entender melhor tudo isso?

O que são as vitaminas? 

Todos sabem que os principais elementos da alimentação de crianças e adultos são as proteínas, os açúcares e as gorduras. 
São eles os constituintes fundamentais do nosso corpo, pois todos são indispensáveis para dar forma e energia a todos os nossos órgãos.
Mas, além deles o organismo necessita também de outras substâncias, embora em pequenas quantidades, para que possa funcionar sem problemas e da melhor forma possível. Entre essas outras substâncias estão as vitaminas.
As vitaminas não funcionam como constituintes do nosso corpo ou como fonte de energia, mas são indispensáveis para que ele possa funcionar. Apesar de existirem no corpo em quantidades mínimas, cada vitamina tem um papel importante no funcionamento de alguma parte do organismo ou na formação de determinado tecido ou órgão.
Por essa razão, todas as vitaminas são importantes para situações tão diferentes como a estrutura dos ossos, a resistência dos dentes, a cicatrização de feridas ou a interrupção de uma hemorragia devido a um corte.
 
O problema é que o nosso corpo não fabrica vitaminas. Por isso, temos que buscá-las nos mais diversos alimentos. Porém, as necessidades de vitaminas são tão pequenas que uma alimentação equilibrada é tudo o que necessitamos para manter os níveis de vitaminas adequados.
 
Pensando por este lado, suplementação de vitaminas é desnecessária, mas, cada criança tem hábitos alimentares únicos e seu desenvolvimento é mais único ainda e a falta de vitaminas pode comprometer o crescimento, aprendizagem ou desenvolvimentos dos pequenos, então, se um profissional achar necessário entrar com a complementação de alguma vitamina é ideal que os pais façam pelo tempo determinado. 
Existem ainda grupos cuja suplementação é altamente recomendada. Entre eles, estão as pessoas veganas, que não comem produtos de origem animal e necessitam fazer a reposição da vitamina B12. Às mulheres que planejam engravidar e às gestantes, a suplementação de ácido fólico (uma vitamina do complexo B) pode ser fundamental para a saúde da futura mãe e do feto. Aos idosos, pode ser indicada a reposição de algumas vitaminas pela dificuldade que apresentam de absorvê-las. Suplementos são muitas vezes indicados também para pacientes que se recuperam de cirurgias ou de doenças graves, por terem seus regimes normais prejudicados durante essa fase. E há ainda uma vitamina que merece atenção especial, para pessoas de todas as idades. É a D, cuja falta não pode ser resolvida apenas com uma alimentação balanceada. Isso porque esse composto, para ser absorvido pelo corpo, necessita do efeito do sol, e a nossa exposição a ele está cada dia mais rara. Trancafiados em escritórios, salas e apartamentos, acabamos nos expondo poucos minutos por dia à luz natural, e o corpo não fica imune a isso. Estima-se que 1 bilhão de pessoas no mundo tenham deficiência dessa vitamina:
 
Mas em casos onde a criança tem uma alimentação balanceada e está com a saúde em dia o excesso de vitaminas causado pela suplementação pode acabar prejudicando ao invés de ajudar.
Se um organismo com ausência de vitaminas é um organismo falido, onde existe excesso dela pode ocorrer uma pane.
 
A hipervitaminose, ou envenenamento por vitaminas, ocorre quando o indivíduo ingere altos níveis de vitaminas, que pode lavar à um quadro de intoxicação. O quadro clínico irá depender da vitamina envolvida na intoxicação.
A hipervitaminose dificilmente se dá pelo consumo excessivo de alimentos ricos em vitaminas, mas sim pela ingestão indiscriminada de suplementos vitamínicos. Por isso, é muito importante seguir as recomendações do médico na hora de usar qualquer tipo de medicamento.
 
Na hipervitaminose A, por exemplo, causada pelo excesso de ingestão de vitamina A, pode levar ao aparecimento de pele ressecada, áspera e descamativa, fissuras labiais, ceratose folicular, dores ósseas e nas articulações, cefaléia, tonturas, náuseas, queda dos cabelos, lesões no fígado e parada do crescimento. Pode haver também falta de apetite, edema, cansaço, irritabilidade e sangramentos. Também pode ocorrer esplenomegalia e hepatomegalia, com alterações de enzimas hepáticas.
 
No caso de hipervitaminose B, que é causada ingestão excessiva de vitamina B, quando se trata da vitamina B12 (cianocobalamina) pode lavar à reações alérgicas e alterações esplênicas. Quando for intoxicação por vitamina B1 (tiamina), altas doses pode levar à uma vasodilatação periférica, queda na frequência respiratória, convulsões, podendo levar à óbito por paralisia do centro respiratório.
 
Quando o excesso é de vitamina D, os sintomas só aparecem meses após a alta administração de altas doses dessa substância, podendo causar graves danos aos ossos e uma fragilidade dos tecidos e dos rins. Provoca também um aumento exacerbado de cálcio sanguíneo, retirando este mineral dos ossos para a corrente sanguínea. Esse excesso tende a ser depositado nos tecidos moles do organismo. Pode haver a formação de litíases renais, pois o sangue tentará excretar o cálcio; além disso, pode haver formação de esclerose dos vasos sanguíneos.
 
A vitamina K, quando em altas doses, não apresenta toxicidade, assim como o excesso de vitamina C, que também não apresenta efeitos tóxicos quando administrada no tratamento de doenças graves, no entanto, em indivíduos saudáveis a superdosagem pode causar um forte efeito laxativo.
 
Para saber mais sobre o excesso de vitaminas eu indico esse link do site do Dr. Drauzio Varella http://drauziovarella.com.br/envelhecimento/excesso-de-vitaminas/
 
Ou seja, existem os dois lado da coisa: É necessário ter bom senso e principalmente avaliação médica para uso de complemento vitamínico.
 
Muitas de vocês me perguntam se eu uso algum complemento com a Fernanda e aqui vai minha resposta:
Fernanda tem uma alimentação bem legal e equilibrada então normalmente não usamos nenhum complemento, mas no inverno eu mudo essa rotina!
Em dias que sei que ela não consumiu uma fruta ou outro alimento rico em vitamina C, administro o complemento dessa vitamina para mais para meu alívio de consciência referente a gripes e resfriados.
E usamos a vitamina D, visto que no inverno chuvoso de SP acabamos passando maior tempo em casa. Tudo em doses pequenas e controladas pelo pediatra. 
É isso pessoal! Espero que tenha ajudado vocês a entenderem um pouquinho sobre os suplementos vitamínicos.
 
As informações aqui citadas não substituem de forma alguma, uma consulta médica.

Tags

Sobre o Autor

Geisa Simonini

Uma escorpiana geniosa, brava e determinada. Estudei Administração e Marketing e sempre atuei na área comercial e de eventos. Tenho uma cabecinha cheia de idéias e adoro trabalhar com pessoas, afinal para mim, tudo que a vazio de pessoas não faz muito sentido. Sou doidinha por redes sociais e ligada 24 horas por dia, sabe aquela pessoa que não pára? Essa sou eu!
Mas se for para me resumir mesmo: Sou a mãe da Fernanda (e da Camille que ainda está no forninho) e da função de mãe nasceu esse blog onde compartilho com vocês nossas histórias, dia-a-dia e aprendizados

1 Comentário

Clique aqui para postar um comentário
  • Que post legal! Super informativo, completo…
    Na minha infância, lembro que a maior preocupação da minha mãe era com a vitamina C, mas hoje em dia sabemos da importância de tantas outras…
    Também achei importante a dica que de tudo tem uma dose certa, e não sair tomando a torto e direito!
    Ótimo texto!
    Beijos

Publicidade

Parceiros

Siga-nos no Instagram

Voltar ao topo