Talline Sapatilhas
Uncategorized

A mãe que eu imaginei! X A mãe que eu sou!

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 0 Flares ×

Quando não temos filhos idealizamos um estereótipo de mãe que seremos!
E aí vem um bebêzinho, lindo, fofo e tchibum! Tudo afunda! Nasce uma mãe que nos surpreende e que geralmente é muito diferente da que imaginavamos ser!

Comigo não foi diferente! Eu sempre me imaginei uma mãe mega, blaster calma, que cozinharia tudo mega saudavel, que não se abalaria com nada, incansável, uma mãe moderna, e por ai vai…
mas não é bem assim!

Eu gostaria de dar uma vida mega saudável pra Fernanda! Mas não consigo!
Ela é saudável, come bem, massssss rola porcaria!
Eu não ofereço, não compro, não dou mas quando alguém dá eu fico quieta!
Só eu sei o quanto eu queria enfiar o danoninho ou o chips na cara de quem oferece e o quanto me culpo por ter deixado ela comer, mas deixo e no fundo eu prefiro pensar que as vezes não vai fazer mal!

Eu gostaria de não ficar cansada! Mas eu fico!
Tem dias que dá vontade de me trancar no banheiro e dormir lá dentro enquanto a Fernanda derruba o restante da casa!
Eu queria um banho demorado e dormir até o sono acabar!
Adoro cada momento com ela, mas cansa! A energia dela é inesgotável e a minha… já nem sei mais aonde está!

Eu queria ser aquela mãe linda, de cabelo perfeito, unhas feitas e que está sempre mega pronta pro maridão!
Mas não… minha unha tá o bagaço, meu cabelo vive largado e o marido? O coitadinho… tem o melhor que eu posso dar mas não o melhor que ele merece!

E por aí vai!
Tem tanta coisa que eu queria ser e não sou!
Maaaaaaaaaaaaas tem o outro lado da moeda!

Eu sempre fui chorona, mimada, estourada!
Eu sempre imaginei que seria uma mãe, que no fundo não é nem 50% da mãe que sou!
Graças à Deus eu me orgulho de ser a mãe da Fefe, de ser como sou, de ter dado a ela tudo que dei e que ainda darei!
Hoje eu sou mega forte, tiro força não sei de onde (sei sim, vem dos olhos e do sorriso dela), deixei os mimimis de lado e virei onça, não mexa com a minha tchuca que eu viro fera, e a pessoa estourada que existia deu lugar pra alguém que pensa, respira e depois fala… sempre pensando em evitar conflito!
Eu aprendi tanto com ela, me tornei tão melhor!
É aquela história, junto com um filho, nasce uma mãe! E eu nasci, renasci!

Por fim, queria falar da mãe que eu quero ser:
Quero ser AMIGA, parceira, companheira!
Quero saber ensinar, cobrar, corrigir sem ser chata, mandona!
Quero ser a mãe que ela vai se orgulhar!
Quero ser a mãe que ela precisa!
Quero ser … não mais perfeita mas na medida!

E sabe pq tudo isso?
Pq aprendi que não tem modelo de mãe!
Assim como filho não vem com manual de instruções e modelo de fábrica, ele se forma na vida, mãe tb é assim…vive aprendendo e quando acha que já sabe tudo…
Aprende de novo!


Sobre o Autor

Geisa Simonini

Uma escorpiana geniosa, brava e determinada. Estudei Administração e Marketing e sempre atuei na área comercial e de eventos. Tenho uma cabecinha cheia de idéias e adoro trabalhar com pessoas, afinal para mim, tudo que a vazio de pessoas não faz muito sentido. Sou doidinha por redes sociais e ligada 24 horas por dia, sabe aquela pessoa que não pára? Essa sou eu!
Mas se for para me resumir mesmo: Sou a mãe da Fernanda (e da Camille que ainda está no forninho) e da função de mãe nasceu esse blog onde compartilho com vocês nossas histórias, dia-a-dia e aprendizados

Publicidade

Parceiros

Siga-nos no Instagram

Voltar ao topo