Talline Sapatilhas
Uncategorized

Terribles Two eu te odeio!

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 0 Flares ×


Você já ouviu falar na fase maravilhosa #sóquenão Terrible Two?
Eu já tinha ouvido mas achava que não ia viver este momento. Acreditava que era apenas exagero de mãe cansada com filho em mudança de fase #sabedenadainocente É uma pena mas preciso admitir que ele chegou por aqui! E chegou, chegando, dando um choque de realidade nessa mãe que vos fala! Cadê minha filha fofa? Foi raptada por E.T.s e deixaram no lugar a mistura do Do Contra com o Furacão Katrina.

Que a Fernanda é faladeira e extremamente agitada eu já falei aqui, mas gente do céu, me dá um abraço porque o nível de personalidade dessa criança aumentou de forma assustadora nas últimas semanas, e aumentou para o lado terrível da coisa!

Sim o terrible two, tão temido, chegou por aqui antes dos 2 anos!
#voualichorarnocantinho mas antes vim compartilhar com vocês esse momento da maternidade que faz qualquer mãe se virar nos 30 para não enlouquecer!

Sabe aquele adolescente rebelde, que não concorda com nada que os pais dizem, pois é, por aqui tem um bebê rebelde!
A expressão terrible two é usada para nomear aquilo que chamamos de adolescência do bebê!Em português a expressão significa: terríveis dois anos, e como são terríveis: Oh my God!
É neste fase que as birras mais absurdas, assustadoras e vergonhosas acontecem!
Se você ainda não conhece mas tem um bebê em casa, prepare-se física e psicológicamente porque o negócio não é fácil não minha gente!
#édecairofiofódabunda


Essa primeira adolescência, adolescência do bebê ou terrible two acontece entre os 18 e os 36 meses da vida da criança e é caracterizada principalmente pela birra fácil e oposição a tudo que é proposto.
Não, não é culpa sua. Você não está educando seu filho errado. Na maioria das vezes este comportamento acontece simplesmente pelo desenvolvimento da criança
que está passando por um período de grandes mudanças para ela. Agora aquele bebezinho pelo qual você decidia tudo passa a ter vontades e opinião própria e começa a saber emiti-lasA e isso gera a necessidade de tomar decisões e fazer escolhas por si. Como ainda não tem maturidade para decidir ao certo o que realmente vai lhe causar prazer ou lhe fazer bem em muitas vezes a discordância é tanta que a criança discorda até da sua prórpia escolha! 

Drama? Pouco é bobagem!
Aqui a mocinha aprendeu a fingir que chora, vê se pode?!
Ela finge que está “soluçando” de chorar. Usa o por favor váaaaaaaarias vezes!
Eu tento ignorar mas tem momentos em que é impossível! 

Não! Nãoooo e nãoooo!
É não para tudoooo! Até para o que ela acabou de pedir! 
Pediu fruta, fui correndo e peguei e a reação foi: – Nãooooooo quélo essa futa! Odeio futa!
Dá vontade de sair correndo e chorando mas não pode, tem que respirar, contar até 10 ou até 100 mas manter a calma e entender que uma criança é só uma criança!

Como sobreviver?
Calma! Eles não fazem de propósito, para nos testar ou para chamar a atenção. Eles apenas não sabem se expressar de outra forma e acabam causando o terremoto!
Não use de força física nunca, isso não vai resolver!
Tenha paciência! Esta é asem dúvidas, a palavra da vez!
Espere a birra acabar, fique na altura dos olhos do seu filho e converse, fale com calma e em tom de voz baixo. Assim ele não ficará ainda mais agitado e tentará te entender!
Se for sair de casa, avise a criança, explique aonde vão e fale o que espera dela! Assim você poderá usar a conversa de agora como parâmetro para a conversa pós birra, caso ela aconteça!
Você já sabe que as birras vem da frustração mas você não deve evitá-la. Deixe a criança viver normalmente, passar por todas as situações que deve passar, esta é a melhor fase para ela aprender a lhe dar com os sentimentos. Você deve apenas mostrá-la que está ao seu lado sempre.
Caso seu filho costume bater quanod está nervoso, não permita! Segure-o, explique que não pode e o motivo de não poder: Machuca!
Caso seu filho crie o hábito de se bater, bater a cabeça na parede ou algo autodestritivo, tente detê-lo sempre, acalme-o mas se esta atitude persistir procure ajuda de um psicólogo que irá ajudar a lhe dar com este momento.
Por mais difícil que seja vai passar! E você deve tirar algo bom de tudo isso: Seu filho evolui, cresce!
Não é fácil mas é só mais uma das fases dessa louca vida de mãe que nós tanto amamos!

O tal terrible to chegou por aí também?

Sobre o Autor

Geisa Simonini

Uma escorpiana geniosa, brava e determinada. Estudei Administração e Marketing e sempre atuei na área comercial e de eventos. Tenho uma cabecinha cheia de idéias e adoro trabalhar com pessoas, afinal para mim, tudo que a vazio de pessoas não faz muito sentido. Sou doidinha por redes sociais e ligada 24 horas por dia, sabe aquela pessoa que não pára? Essa sou eu!
Mas se for para me resumir mesmo: Sou a mãe da Fernanda (e da Camille que ainda está no forninho) e da função de mãe nasceu esse blog onde compartilho com vocês nossas histórias, dia-a-dia e aprendizados

Publicidade

Parceiros

Siga-nos no Instagram

Voltar ao topo