Talline Sapatilhas
Uncategorized

O uso da tecnologia na formação de nossas crianças

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 0 Flares ×
Na Mira da Mamãe_Fernanda e a Tecnologia
Será que as novas tecnologias e formas de comunicação estão isolando as crianças nos mundos virtuais e com isso estão sendo formadas gerações despreparadas para o convívio social no mundo real?

Acho que muitas pessoas com mais de 25 anos, como eu, talvez tenham notado o quanto sua infância foi bem diferente da de hoje. Brincadeiras comuns de nossa época, como pega-pega, queimada, amarelinha ou qualquer atividade coletiva saíram de moda. A tecnologia contribuiu radicalmente para a mudança no comportamento das crianças de hoje. O que se vê atualmente é um “monte” de crianças isoladas em seus “mundos”, entretidas com aplicativos eletrônicos e desinteressadas pelas coisas reais.

Outra coisa que tenho observado são que as crianças também estão deixando de desenvolver um princípio muito importante que chamamos de “Convívio Social”, que é fundamental para a construção de amizades e de sua auto-confiança e estima.

Muitos atribuem essa mudança da mentalidade infantil à tecnologia por parecer estar minando o desenvolvimento das crianças nesses relacionamentos fundamentais nesta fase de vida. Porém essa afirmação creio estar totalmente errada. A tecnologia vem evoluindo para nos ajudar em nosso cotidiano e não para atrapalhar-nos. Cabe a nós mesmos a incumbência de usarmos essas “ferramentas” para nos ajudar a educar nossas crianças e não afastá-las da realidade e dos princípios fundamentais da vida. E posso afirmar que uma criança que não desenvolve a relação interpessoal pode se tornar um indivíduo inseguro e despreparado para enfrentar pressões, provocações e situações adversas.

Quando a criança está entretida com seus joguinhos eletrônicos, ela não quer saber o que acontece ao seu redor, sendo indiferente aos assuntos de casa. Outro fator muito importante é que o distanciamento das crianças de atividades físicas também aumenta o risco de doenças, principalmente a obesidade infantil. Uma cena muito comum em recreio de colégios nos tempos atuais é a de várias crianças sentadas uma ao lado da outra, sem qualquer interação, mexendo em celulares, tablets e outros aparelhos eletrônicos, muitas vezes sendo solicitados pela própria Instituição de Ensino.

É nítido que o avanço estrondoso da Tecnologia e suas mídias provocaram uma mudança muito significativa em nossa cultura popular. E o mais engraçado é que hoje podemos afirmar inclusive que o uso da Tecnologia em todas as áreas de nossa vida, faz parte da cultura de nosso povo. Portanto não cabe a nós julgarmos a Tecnologia como vilã e sim aproveitarmos tudo o que ela oferece para nos ajudar a melhorar a nossa Sociedade e a vida de nossas crianças. Podemos começar com algumas regrinhas bem simples:

  • Estabeleça limites SEMPRE, inclusive para você mesmo. A criança precisa saber que existem regras e horários para uso e você precisa também se dar um tempo para curtir seus filhos e sua família;
  • Estimule a criança a pensar, a raciocinar. Lembre-se que ensinar o uso de aparelhos tecnológicos é bem diferente de facilitar o seu manuseio;
  • Estimule a prática de exercícios físicos. Os filhos vêem os pais como seus ídolos e heróis e sempre vão querer imitá-los. Sejamos, então, um bom exemplo.

Na Mira da Mamãe_Fernanda e seus livros

Cabe a nós, pais, impedirmos que nossos filhos sejam pessoas que funcionam melhor quando estão “conectadas”. Temos que ensiná-los que a Tecnologia existe para ajudá-los em seu desenvolvimento e mostrarmos o caminho correto para o seu uso. Tudo em excesso é prejudicial e o importante é dosarmos nossos investimentos e oferecer também aos nossos filhos e família práticas mais saudáveis e humanas.
Postagem baseada no texto: Crianças reféns da tecnologia” de Bruno Rodrigues do site Guia do Bebê

Na Mira da Mamãe_Erick Torritezi

Sobre o Autor

Geisa Simonini

Uma escorpiana geniosa, brava e determinada. Estudei Administração e Marketing e sempre atuei na área comercial e de eventos. Tenho uma cabecinha cheia de idéias e adoro trabalhar com pessoas, afinal para mim, tudo que a vazio de pessoas não faz muito sentido. Sou doidinha por redes sociais e ligada 24 horas por dia, sabe aquela pessoa que não pára? Essa sou eu!
Mas se for para me resumir mesmo: Sou a mãe da Fernanda (e da Camille que ainda está no forninho) e da função de mãe nasceu esse blog onde compartilho com vocês nossas histórias, dia-a-dia e aprendizados

Publicidade

Parceiros

Siga-nos no Instagram

Voltar ao topo