A MinhaLigthbox é um produto feito com exclusividade que vai deixar seu ambiente ainda mais perfeito!!
Desenvolvimento

Masturbação Infantil

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 0 Flares ×

Meu filho está se masturbando, e agora?
Antes de mais nada, muita calma nessa hora!

É mega importante que pais, professores e todos que convivem com crianças não se deixarem contaminar pelo olhar adulto. Para a criança, a masturbação é uma exploração biológica do próprio corpo que é prazerosa e por isso se repete. Não existe maldade.
Bater, gritar, reprimir não é o melhor caminho a seguir!

A masturbação é a estimulação dos próprios genitais para obter prazer ou satisfação. As crianças podem esfregar os órgãos genitais com as mãos ou com outro objeto. Durante a masturbação, uma criança geralmente parece aturdido, absorto e enrubescido. A masturbação acontece mais freqüentemente quando uma criança está sonolenta, aborrecida, vendo televisão ou sob stress.
Falar de sexualidade é sempre muito complexo, tanto por muitas vezes os temas serem considerados tabus quanto por envolver questões psicológicas, sociais e religiosas. Mas que tal vermos a masturbação com outros olhos, deixando de lado o ato sexual? Afinal a criança não se excita, o adulto o faz porque ali a imaginação e desperta os sentidos, mas para a criança aquilo é só uma forma de descobrir o próprio corpo através do toque.

“Mamãe, tenho que te contar um segredo: mexe lá na perereca para você ver o tanto que é gostoso”. A frase é de uma menina de 5 anos. A mãe, que não será identificada, conta que achou engraçada a ingenuidade da filha. A solução que encontrou foi orientá-la a ter cuidado para não se machucar já que, por ter a pele sensível, a garotinha ainda usa pomada contra assadura. A dificuldade do adulto em lidar com cenas da masturbação infantil ou atos de interesse nos genitais de outras crianças está marcada pela carga cultural que envolve a sexualidade. “O prazer do adulto está além do físico, a excitação passa pela fantasia. Para a criança, é apenas uma experiência sensorial: ela descobriu que é gostoso e vai repetir”, explica a psicóloga e doutoranda em educação na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Anna Cláudia Eutrópio B. d’Andrea. (Fonte)
 
É comum que os pais ou responsáveis se assustem e acabem repreendendo a criança, mas não é o melhor a fazer! Repreender pode intimidar a criança e criar barreiras posteriores. É necessário que o indivíduo aprenda a conhecer seu corpo e enquanto criança isso é mais normal ainda. Sabe quando a criança põe tudo na boca? É quase a mesma situação, ou seja, mais uma das formas de sentir e explorar o mundo! E quando a sensação é boa, ela tende a se repetir.
Proibir acaba aguçando a curiosidade da criança!

Mas como falar sobre isso?

Com os maiorzinhos (de 5 anos em diante) fica mais fácil explicar que não podemos tocar nas partes intimas na frente das pessoas, que se não tivermos cuidado podemos nos machucar e por aí vai. Porém, os menores tem mais dificuldade em entender! Nesta fase não é comum a criança ter o hábito de se masturbar porém caso aconteça a melhor forma de agir é chamar a atenção da criança para outra coisa, sem tocar no assunto diretamente.
Caso isso aconteça em público o melhor é chamar a atenção da criança em particular e usar o adulto como exemplo, alegando que o papai ou a mamãe não fazem isso em público!

O que difere a normalidade da patologia é o exagero. Observe se mesmo após ter a atenção desviada a criança retorna ao ato e os momentos que o faz.
Converse com seus filhos de maneira aberta e usando linguagem adequada para a idade. Em caso de excesso, persistência ou comportamentos anormais apra a idade, procure ajuda médica! Vale falar com o pediatra e também consultar um psicólogo.
Fique atento, se seu filho tenta masturbar outras pessoas, ou diz que aprendeu isso com alguém, pode ser mais um motivo para contar com a ajudar de um psicólogo.
 
 

Falar de masturbação, sexo, de onde os bebês vem e tudo mais, faz parte da educação dos nossos filhos e é necessário que estejamos preparados para tratar estes temas com naturalidade e leveza. Uma criança que tem educação sexual em casa e fala sobre isso sem medos, tem menos chances de sofrer violência sexual.
 

Sobre o Autor

Geisa Simonini

Uma escorpiana geniosa, brava e determinada. Estudei Administração e Marketing e sempre atuei na área comercial e de eventos. Tenho uma cabecinha cheia de idéias e adoro trabalhar com pessoas, afinal para mim, tudo que a vazio de pessoas não faz muito sentido. Sou doidinha por redes sociais e ligada 24 horas por dia, sabe aquela pessoa que não pára? Essa sou eu!
Mas se for para me resumir mesmo: Sou a mãe da Fernanda (e da Camille que ainda está no forninho) e da função de mãe nasceu esse blog onde compartilho com vocês nossas histórias, dia-a-dia e aprendizados

3 Comentários

Clique aqui para postar um comentário

Publicidade

Parceiros

Voltar ao topo