Uncategorized

A Importância do Jogar na Educação das Crianças

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 0 Flares ×


Você sabia que jogar é fundamental para o desenvolvimento psicológico, físico, cognitivo e social das crianças? Através dos jogos a criança desenvolve  um canal de comunicação e aprende a se expressar melhor e a conviver com sentimentos rotineiros.


Participamos de um bate papo sobre “A importância dos Jogos na Educação das crianças” com a psicóloga e psicopedagoga Silvia Saramaso que trabalha em consultório particular atendendo crianças e adolescentes com questões relacionadas a aprendizagem e desenvolvimento. Há tempos não tinha uma conversa tão enriquecedora sobre educação. Eu percebi o quanto é natural “jogar” e o quanto isso faz parte do nosso dia-a-dia, além de perceber que podemos utilizar dos brinquedos como jogos de tabuleiros e de cartas para educar e ensinar nossos filhos.

*Etimologicamente a palavra JOGO vem do latim LOCUS, que significa gracejo, zombaria e que foi empregada no lugar de ludus: brinquedo, jogo, divertimento, passatempo. Em inglês a palavra jogar é mais ampla e define muito bem tudo que envolve o ato de jogar. Play: Brincadeira, jogar, tocar, representar, brincar, jogo, gracejar, gozação, folgar, peça.

Enquanto o jogo estimula o desenvolvimento intelectual da criança, também ensina de maneira subjetiva hábitos que serão fundamentais em sua vida, como a persistência, o raciocínio, a paciência, o companheirismo e muitos outros.
A criança não deve jogar sozinha, o intermédio de um adulto é fundamental para um melhor aproveitamento do momento. É o adulto que deve determinar o objetivo, as regras e o tempo em que o jogo ocorrerá.

 Aqui em casa sempre usamos muito de jogos sensoriais, que estimulam a criatividade, isso já nos trouxe muitos benefícios, como um pouco mais de concentração, paciência e uma capacidade de criar e imaginar imensa. Agora aos poucos estamos inserindo jogos que estimulam o raciocínio, atenção e paciência, e além disso aos poucos as regras se fazem presentes, primeiramente de uma forma mais fácil de serem seguidas, meio automáticas e depois o grau de “dificuldade” vai sendo aumentado.

Através de jogos é possível que a criança tenha um entendimento mais fácil de tempo (antes e depois), quantidade (pouco e muito), compreensão da seqüência (inicio e fim), espaço (perto, longe, atrás, na frente). Por aqui esta está sendo a forma mais fácil de ensinar esses parâmetros. Já fizemos brincadeiras com bola, com bonecos, blocos de montar e agora as cartas também estão ajudando bastante.
Além de tudo para que o ato de jogar aconteça é preciso uma interação, aonde a troca de conhecimento é vasta e os momentos de convivências rendem histórias e lembranças valiosíssimas.

É fundamental que o tempo de jogo seja de qualidade, que é muito mais importante que quantidade. O ideal é que os pais reservem alguns minutos do dia, se desconectem do restante e se dediquem a jogar com os pequenos, imergir de verdade no universo daquele momento e de tudo que ele pode oferecer.
Hoje vivemos muito em um meio virtual aonde as emoções são inibidas e separadas por uma tela, claro que o equilíbrio é o correto e com isso torna-se importante tanto o uso dos jogos on-line e eletrônicos quanto os de cartas e tabuleiros, os que precisam de expressões e movimentos também são importantíssimos para que a criança aprenda a se expressar ou até conter as emoções (Todos um dia vão precisar usar a famosa Poker Face que nada mais é que uma expressão vazia, que não demonstra nenhum sentimento, dificultando assim para os adversários entenderem o que o indivíduo está prestes a fazer).

Existe ainda o erro que muitos de nós cometemos de querermos poupar nossos filhos das frustrações, permitindo que eles sempre ganhem (ou pensem que ganharam). O ideal é que a criança aprenda a lidar com a frustração quando não consegue vencer e saiba que precisa se esforçar mais das próximas vezes. Isso vai ajudá-la em outros momentos da vida, afinal quem de nós nunca se frustrou no trabalho, quem nunca teve que se dedicar mais pra conseguir algo que queria, ou simplesmente quem nunca teve que esperar a fila andar para chegar a nossa vez? No jogo isso pode ser problematizado de forma mais simples, ali a criança pode ver o problema, vivê-lo e ainda chegar a uma solução muito mais rápido do que “na vida real”.

Portanto, coloque seu filho para jogar e mais do que isso jogue com ele!

No encontro que participamos a Copag no presenteou com vários jogos de cartas e todos estão fazendo sucesso por aqui!

Todos os jogos são da linha infantil da Copag
Veja nossas fotos jogando! Siga-nos no Instagram e/ou curta nossa Fanpage e veja o quanto está sendo divertido aprender brincando!
Os jogos tem propostas bem legais e só o fato de terem os personagens preferidos da pequena já ajudou a chamar a atenção dela, além claro, de ela ter adorado a idéia te ter minutos reservados só para ficarmos juntinhos.

Vale a pena investir em momentos assim!
E por ai? Quais são os jogos favoritos?

Sobre o Autor

Geisa Simonini

Uma escorpiana geniosa, brava e determinada. Estudei Administração e Marketing e sempre atuei na área comercial e de eventos. Tenho uma cabecinha cheia de idéias e adoro trabalhar com pessoas, afinal para mim, tudo que a vazio de pessoas não faz muito sentido. Sou doidinha por redes sociais e ligada 24 horas por dia, sabe aquela pessoa que não pára? Essa sou eu!
Mas se for para me resumir mesmo: Sou a mãe da Fernanda (e da Camille que ainda está no forninho) e da função de mãe nasceu esse blog onde compartilho com vocês nossas histórias, dia-a-dia e aprendizados

Publicidade

Parceiros

Siga-nos no Instagram

Voltar ao topo