A MinhaLigthbox é um produto feito com exclusividade que vai deixar seu ambiente ainda mais perfeito!!
Uncategorized

Doação de Célula Tronco (sangue do cordão umbilical e da placenta)

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 0 Flares ×
O cordão umbilical une o feto à placenta da mãe e é responsável pela nutrição e oxigenação do bebê durante a gestação. Após o parto, a criança aprende a respirar sozinha e passa a se alimentar do leite materno, portanto ele passa a ser desnecessário.
Geralmente o cordão umbilical e a placenta são descartados na sala de parto, porém, se armazenado corretamente e preservado ele pode salvar a vida de pacientes com diferentes tipos de doenças hematológicas.
Você sabia que  dia 8 deste mês foi o dia da doação de Sangue do Cordão Umbilical? Pensando nisso resolvemos criar esse artigo com algumas curiosidades e informações sobre o tema!



Por que é Importante Doar o Sangue do Cordão U​mbilical?
O sangue contido no cordão umbilical é rico em células progenitoras hematopoiéticas ou células tronco (células responsáveis pela formação de diversos componentes importantes do sangue). 
Em várias enfermidades, como leucemias, linfomas e mielodisplasias, as células sanguíneas apresentam-se defeituosas e precisam ser substituídas, a medula óssea foi a primeira fonte de células-tronco, porém, a principal limitação para o transplante é a obtenção de um doador compatível na família, o que ocorre em menos de 25% dos casos. Sendo assim, nem sempre o paciente consegue ser atendido no tempo que precisa. Por isso, o sangue do cordão umbilical pode ser uma ótima alternativa para os pacientes que precisam de um transplante de células-tronco hematopoéticas e não encontram um doador.

Embora os bancos mundiais de doadores se esforcem para incentivar a doação, ainda é difícil encontrar o chamado doador alótipo – que seja compatível. As dificuldades são ainda maiores para encontrar esse doador em tempo e condições de atender à doação para um paciente que necessita, muitas vezes, do transplante com urgência.

Ao contrário da medula óssea, as células-tronco hematopoéticas obtidas do sangue de cordão umbilical podem ser transplantadas sem que haja uma completa semelhança entre o paciente e o doador. Outra vantagem do Banco Público de Sangue de Cordão Umbilical é a redução do tempo para a obtenção do material. No caso dos transplantes de medula óssea, leva-se cerca de seis meses entre a identificação de um doador compatível nos registros de doadores e a coleta da medula óssea para o transplante. Quando se identifica uma unidade de sangue de cordão umbilical compatível com um paciente, esse tempo cai para 20 a 30 dias, pois as amostras já estão previamente testadas e classificadas.

Ou seja, doando o sangue do cordão umbilical você pode salvar vidas, sem fazer nenhum esforço!

Como doar?
É simples, indolor, seguro e gratuito. Só precisamos de conscientização e colaboração.
Só podem doar grávidas que tiverem o parto realizado em hospitais que pertencem ao Banco de Sangue de Cordão no Brasil (Brasilcord), veja a lista: 

Instituto Nacional do Câncer – INCA – RJ
Hospital Israelita Albert Einstein – SP
Hospital M’Boi.Mirim – SP
Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP
Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto – USP
Hospital Sírio Libanês – SP
Hemocentro de Florianópolis – SC
Hemocentro de Brasília – DF
Centro de Hematologia e Hemoterapia do Ceará (Hemoce)
Centro de Hematologia e Hemoterapia do Pará (Hemopa)
Hospital de clínicas de Porto Alegre
Hemope de Recife
Hospital das Clinicas do Paraná

*A triagem e a coleta devem ser feitas dentro das normas de qualidade por profissionais treinados e capacitados, pois são etapas críticas para a gestante e sequência do material coletado.

Quando internar para o parto, solicite um profissional da equipe de Doação de sangue de cordão umbilical.

Não é possível doar caso você resolva guardar o sangue em um banco privado, os procedimentos são diferentes na rede pública e na rede privada, portanto apenas pode-se contar com uma coleta.
Algumas exigências devem ser cumpridas antes da coleta, similares às requeridas para a doação de sangue. Antes do parto, a gestante deverá passar por uma triagem clínica (entrevista) e assinar um termo de consentimento para a doação do sangue de cordão umbilical do seu filho. Além disso, no momento do parto será coletado cerca de 40 ml de sangue da gestante para detectar a presença de alguma doença que possa ser transmissível pelo sangue (Sífilis, Hepatite, HIV entre outras).

A doação é gratuita, espontânea e sigilosa. Você não paga e nem recebe nenhuma renumeração por isso, pois a renumeração é proibida pelas leis brasileiras.

Quem pode doar?
Gestantes com idade acima de 18 anos e tempo de gravidez igual ou superior a 35 semanas. A bolsa não pode ter rompido há mais de 18 horas, a gestante deve ter realizado no mínimo duas consultas durante a gravidez e não deve ter infecção ou febre no momento do parto. No entanto, existem algumas restrições adicionais que serão verificadas no momento da doação.

Como é feita a coleta de sangue de cordão umbilical e da placenta?
Durante o parto, logo após a corte do cordão umbilical e quando o recém-nascido já está sob os cuidados do pediatra. O profissional retira o sangue do cordão através de uma bolsa de coleta estéril (que não contém germes ou qualquer outro tipo de risco ao material coletado). Assim, não traz qualquer risco ao bebê ou à mãe. Após a coleta, o sangue do cordão é encaminhado para avaliação dos critérios de congelamento ou descarte.

Caso o sangue de cordão coletado não atenda aos critérios técnicos estabelecidos pela ANVISA, como, por exemplo, volume insuficiente, o material poderá ser descartado. Além disso, o Banco de Sangue sempre realiza testes para a detecção de doenças transmissíveis pelo sangue, que são feitos com uma amostra coletada da gestante no momento do parto. Quando forem detectadas alterações em algum desses testes, o material poderá ser desprezado após a coleta e, até mesmo, após congelamento.

Depois da Doação, quem pode usar do sangue doado?
O Banco Público de Sangue de Cordão Umbilical pertence á BrasilCord, uma rede pública que atende toda a sociedade brasileira e, mesmo que você não seja doador, caso você ou alguém de sua família necessite, também poderá fazer uso das células-tronco hematopoéticas armazenadas pelo Banco.Trata-se de uma iniciativa do Ministério da Saúde, disponível para toda a população.

Toda a população é beneficiada em relação aos cordões disponíveis na rede Brasilcord e não apenas uma pessoa especificamente, mesmo que ela tenha sido a doadora.

É importante ressaltar que, depois de realizada a doação, o sangue de cordão coletado não pode ser reivindicado pelos pais ou por outro membro da família. No ato da doação, este material passa a ser de uso público, pertencendo, portanto, a uma rede pública de bancos de sangue de cordão umbilical do Brasil.

Vale citar ainda, que existe a hipótese de guardar as células tronco em banco privado para uso reservado ao dono do sangue ou familiares, porém a ANVISA e o Ministério da Saúde não apoiam esta técnica e incentivam as doações aos bancos públicos, visto que em alguns casos (em doenças genéticas como a leucemia) a pessoa não pode receber as próprias células tronco, um outro porém é que o sangue um cordão pode ajudar apenas uma pessoa de até 50k. ou seja se a pessoa pesar mais que isso também vai precisar recorrer a bancos públicos. A chance de alguém utilizar a própria célula é de 0,002% enquanto a chances das células serem utilizadas estando em banco público é muito maior!
Mas é a família quem decide como agir.

Eu farei um post sobre o armazenamento em Banco privado em breve, afinal vale ver os dois lados da moeda!

Sobre o Autor

Geisa Simonini

Uma escorpiana geniosa, brava e determinada. Estudei Administração e Marketing e sempre atuei na área comercial e de eventos. Tenho uma cabecinha cheia de idéias e adoro trabalhar com pessoas, afinal para mim, tudo que a vazio de pessoas não faz muito sentido. Sou doidinha por redes sociais e ligada 24 horas por dia, sabe aquela pessoa que não pára? Essa sou eu!
Mas se for para me resumir mesmo: Sou a mãe da Fernanda (e da Camille que ainda está no forninho) e da função de mãe nasceu esse blog onde compartilho com vocês nossas histórias, dia-a-dia e aprendizados

Publicidade

Parceiros

Voltar ao topo